Como tudo começou: a história e 35 histórias dos 35 anos da Oficina de Criação Literária da PUCRS

2020 ANO
1 EDIÇÃO
188 PÁGINAS

Impresso: R$ 39,90

Amazon
Atenção: Os preços podem variar de acordo com as campanhas promocionais de cada loja

Luis Roberto de Souza Júnior, Frederico Dollo Linardi, Gabriela Ewald Richinitti

REF: 1475 Categoria:

Este livro conta a história de vários inícios. Primeiro, o início da Oficina de Criação Literária da PUCRS, que completa anos em – a mais longeva em funcionamento no país. O surgimento da Oficina está retratado num saboroso artigo de Luís Roberto Amabile e num instigante perfil escrito por Fred Linardi sobre Luiz Antonio de Assis Brasil. Ministrada desde a primeira edição por Assis Brasil, a Oficina exerce papel importante em nosso sistema literário, revelando, a cada ano, novos escritores. Pensando nisso, este livro também reúne contos publicados, quase todos, em antologias da Oficina. E assim, como ressalta Gabriela Richinitti na introdução a esta “antologia das antologias”, aqui se encontram os inícios de carreira de vários nomes fundamentais da literatura brasileira contemporânea.

Sobre os Autores

Surgida em, a Oficina de Criação Literária da PUCRS, ou a “Oficina do Assis Brasil”, é o mais famoso celeiro de escritores do país. Este livro marca os anos da Oficina, contando sua história e elencando contos publicados em suas antologias por autores que ajudaram a construí-la.

Organizador

Luis Roberto Amabile

Escritor e professor da Escola de Humanidades da PUCRS, doutor em Teoria da Literatura (2017) e em Escrita Criativa (2019). Colaborou com Luiz Antonio de Assis Brasil em Escrever ficção (2019). É autor, entre outros, dos livros de contos O amor é um lugar estranho (2012, finalista do Prêmio Açorianos), O livro dos cachorros (2015, vencedor da chamada para publicação do IEL/RS) e O lado que não era visível para quem estava na estrada (2020). Participou da Oficina de Criação Literária da PUCRS em 2010.
Organizador

Fred Linardi

É escritor e jornalista, especialista em jornalismo literário pela ABJL, mestre e doutorando em Escrita Criativa pela PUCRS. Foi contemplado nos concursos Nacional de Contos Josué Guimarães e Paulo Leminski (2018). Venceu o Prêmio Cidade de Manaus (2019) na categoria Jornalismo Literário. É autor do livro infantil Biscoitos (2019), do catálogo da Editora Biografias & Profecias, pela qual também publicou e editou uma série de livros biográficos. Participou da Oficina de Criação Literária da PUCRS em 2018.
Organizadora

Gabriela Richinitti

Nasceu em Lajeado, no Rio Grande do Sul, em 1993. Graduou-se em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É mestre e doutoranda em Letras – Escrita Criativa pela PUCRS. Possui contos e poemas publicados em diversas coletâneas. Participou da Oficina de Criação Literária da PUCRS em 2016.

Amilcar Bettega

Nasceu em São Gabriel (RS), em 1964. É autor de O voo da trapezista (contos, 1994, Prêmio Açorianos), Deixe o quarto como está (contos, 2002, Prêmio Açorianos e Menção especial do Prémio Casa de las Américas), Os lados do círculo (contos, 2004, Prêmio Portugal Telecom), Barreira (romance, 2013, finalista do Prêmio São Paulo) e Prosa pequena (contos, 2019). Seu trabalho está publicado em países como Portugal, Espanha, Itália, França, EUA, Luxemburgo, Suécia e Bulgária. Também atua como tradutor e professor de Escrita Criativa. “O Forte está vazio” foi publicado em Contos de oficina 10 (1993).

Ana Santos

Nasceu em 1984, em Porto Alegre. É doutoranda em Estudos de Literatura pela UFRGS. Foi contemplada com a Bolsa Funarte de Estímulo à Criação Artística para escrever o livro de contos O que faltava ao peixe (2011). Estreou na poesia com Móbile (2017), finalista do Prêmio Açorianos. Fabulário (2019), outro livro de poemas, venceu o Prêmio Governo de Minas Gerais 2017. “Piloto” foi publicado na antologia desAmordaçados (2009).

Caio Riter

É professor, mestre, doutor em Literatura Brasileira e tem pós-doutorado em Escrita Criativa. Autor de vários livros, com os quais recebeu algumas distinções literárias, como o prêmio Açorianos, o Barco a Vapor, o Orígenes Lessa, o Ofélia Fontes, o AGES: Livro do Ano e Selo Altamente Recomendável, entre outros. “Primavera” foi publicado em Contos de Oficina 7 (1991).

Carlos André Moreira

É jornalista, tradutor e editor e escritor. Recebeu o Prêmio Açorianos Destaque em Mídia Digital com o Blog Mundo Livro, em 2009, entre outros. Publicou contos em diversas antologias e revistas literárias. É coautor de História dos Grenais (2009) e autor do romance Tudo o que fizemos (2009). “Feliz aniversário” foi publicado em Contos de oficina 28 (2002).

Carol Bensimon

Nasceu em Porto Alegre, em 1982. É mestre em Escrita Criativa pela PUCRS e uma das integrantes da edição Os melhores jovens escritores brasileiros da revista inglesa Granta (2012).Publicou, entre outros, Sinuca embaixo d’água (2009), finalista do Jabuti e do Prêmio São Paulo, Todos nós adorávamos caubóis (2013) e O Clube dos Jardineiros de Fumaça (2017), vencedor do Jabuti e finalista do Prêmio São Paulo. Seus livros foram traduzidos nos Estados Unidos, na Espanha e na Argentina. “Um anfíbio na sala” foi publicado em Contos de oficina 32 (2004).

Cíntia Lacroix

Nasceu em Porto Alegre, em 1969. Seu primeiro romance, Sanga Menor (2009) foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura 2010 como Melhor Livro do Ano de Autor Estreante. Em 2014, lançou Tarantata, sua segunda narrativa longa. * “Consciência limpa” foi publicado em Contos de oficina 28 (2002).

Cíntia Moscovich

É escritora, jornalista e mestre em Teoria Literária. Nascida em 1958 em Porto Alegre, publicou, entre outros, Reino das Cebolas (contos, 1996) finalista do Jabuti), Duas iguais — Manual de amores e equívocos assemelhados (novela, 1998) e Anotações durante o incêndio (contos, 2000), ambos vencedores do Prêmio Açorianos, e Essa coisa brilhante que é a chuva (contos, 2012), ganhador do Portugal Telecom e do Prêmio Clarice Lispector, da Fundação Biblioteca Nacional. “Volver al sur” foi publicado na antologia Contos de Oficina 17 (1996).

Clarah Averbuck

(Porto Alegre, 1979) é escritora e professora de escrita. Autora de Máquina de Pinball (2002), Das coisas esquecidas atrás da estante (2003), Vida de gato (2004), Nossa Senhora da Pequena Morte (2008, em co-autoria com Eva Uviedo), Cidade grande no escuro (2012), Eu quero ser eu (2014), Toureando o diabo (2016, em co-autoria com Eva Uviedo) – alguns deles adaptados para o cinema e o teatro. Colaborou com jornais, revistas e portais, e foi uma das criadoras do site Lugar de Mulher. “Avrívlas bolkrovötska djüd” foi publicado em Contos de oficina 24 (2000).

Cris Lisbôa

Lançou livros no Brasil e em Portugal. Deles e quase o resto (2004), Papel Manteiga (2006, que está sendo roteirizado para o cinema), Sylvia não sabe dançar (2008), Duas pessoas são muitas coisas (2011), Tem um coração que faz barulho de água (2018), Nunca fui a garota papel firme que o Roberto falou (2019). “Reencontro” foi publicado em Contos de oficina 33.

Daniel Galera

É escritor e tradutor de língua inglesa. Começou a carreira publicando na internet na virada do milênio e foi um dos criadores da editora Livros do Mal. Publicou, entre outros livros, os romances Mãos de Cavalo (2006), Barba Ensopada de Sangue (2012, vencedor do Prêmio São Paulo) e Meia-Noite e Vinte (2016). Também foi um dos integrantes da edição Os melhores jovens escritores brasileiros da revista inglesa Granta (2012). “A simples presença” foi publicado em Contos de oficina 24 (2000).

Daniel Gruber

É escritor e professor, natural de Novo Hamburgo. É doutor em Escrita Criativa pela PUCRS. Seu primeiro livro, O Jardim das Hespérides (contos, 2017) foi finalista do Prêmio Sesc e do Prêmio Minuano. Em 2019 publicou Animais diários (finalista do Prêmio Ages). “Fim da linha” foi publicado na antologia Melhor não abrir essa gaveta (2014).

Daniel Pellizzari

Nasceu em 1974, em Manaus. É escritor, tradutor e editor. Em 2001, foi um dos fundadores da editora Livros do Mal, pela qual lançou seus primeiros livros de contos. Publicou também os romances Dedo negro com unha (2005) e Digam a Satã que o recado foi entendido (2013). Em 2012, lançou em seu site, em formato e-book, a antologia Melhor seria nunca ter existido pela Livros do Mal 2.0. Traduziu obras de autores como William Burroughs, David Mitchell e David Foster Wallace. “Eu, você” foi publicado em Contos de oficina 18 (1997).

Débora Ferraz

Nasceu em Pernambuco, mas vive em João Pessoa. É jornalista, doutora em Escrita Criativa pela PUCRS, autora da coletânea de contos Os Anjos (2003) e do romance Enquanto Deus não está olhando (2014), que venceu o Prêmio Sesc e o Prêmio São Paulo. “Dançando ballet com Zelda Fitzgerald” foi publicado na antologia Onisciente contemporâneo (2016).

Emir Rossoni

É mestre em Escrita Criativa pela PUC-RS e professor de oficinas literárias, autor de Caixa de Guardar Vontades (2018, crônicas, Prêmio Açorianos e Prêmio Guarulhos), Domanda Nísio (2019, contos, Prêmio Governo de Minas Gerais) e Erros, errantes e afins (contos, Prêmio Cepe 2020). Emir Rossoni participou de Oficina de Criação Literária da PUCRS em 2011.

Gabriela Silva

Nasceu em São Paulo. É doutora em Teoria da Literatura pela PUCRS, com pós-doutorado pela Universidade de Lisboa e pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e Missões. É professora, com diversos artigos publicados, colaboradora do jornal Rascunho e autora do livro de poemas Ainda é céu (2015). “Sobre robôs” foi publicado na antologia desAmordaçados (2009).

Guilherme Azambuja Castro

(Santa Vitória do Palmar/RS) é doutor em Escrita Criativa pela PUCRS. Foi premiado em diversos concursos literários de contos, como o Luiz Vilela (2011). Em 2014 foi finalista do Prêmio Sesc. Em 2015 venceu o Prêmio Cepe, o que resultou na publicação de seu primeiro livro, O amor que não sentimos e outros contos (2016), finalista do Prêmio Açorianos. “O Assessor” foi publicado na antologia Estranha ficções de tempo, morte e utopia (2014).

Gustavo Melo Czekster

É escritor, advogado, mestre em Letras (UFRGS) e doutor em Escrita Criativa (PUC-RS). É palestrante, resenhista e ministrante de oficinas. Publicou dois livros de contos: O homem despedaçado (2013) e Não há amanhã (2017), este vencedor dos prêmios Açorianos, AGES e Minuano, tendo sido também finalista do Jabuti. “Aquilo que se esconde por trás de olhos vazios” foi publicado em Contos de oficina 24 (2000).

Helena Terra

Natural de Vacaria, Rio Grande do Sul, Brasil. É escritora, autora do romance A condição indestrutível de ter sido (2013), jornalista, ilustradora e coordenadora do grupo de leitura A literatura tem nome de mulher. Em 2020 lançou, em parceria com Heitor Schmidt, a novela Bem que eu gostaria de saber o que é o amor. “Memórias quebradas” foi publicado em Contos de oficina 23 (1999).

Irka Barrios

É contista e novelista, mestre em Escrita Criativa pela PUCRS. Foi premiada no Concurso Brasil em Prosa (2015) e participou de diversas antologias. Atua no coletivo Mulherio das Letras. Em 2019 publicou o romance Lauren (finalista do Jabuti). “Sete” foi publicado na antologia Onisciente contemporâneo (2016).

Jaime Cimenti

É escritor, cronista, jornalista e Procurador aposentado do Ministério Público do Trabalho, nasceu em Bento Gonçalves. Autor dos livros de contos Lâminas Paralelas (1992) e O nome da relação (2006), participou de várias antologias, recebeu prêmios, como o ARI e o Felippe D´Oliveira. Desde 1994 assina crônicas e colunas no Jornal do Comércio e já teve trabalhos publicados na Playboy, Correio do Povo e Zero Hora, entre outros. É casado com Helena e pai de Laura e Marina. Jaime Cimenti participou das duas edições das Oficina de Criação Literária da PUCRS (1985 e 1986).

Jerônimo Teixeira

Nasceu em Montenegro, Rio Grande do Sul, em 1968. É jornalista e mestre em letras. É autor de Drummond cordial (2005), As horas podres (2007), Antes do circo (2008) e Os dias da crise (2019). “Vitória” foi publicado em Contos de oficina 8 (1992).

José Francisco Botelho

Nasceu em Bagé (RS), em 1980. É tradutor, jornalista, mestre em Letras pela UFRGS, autor dos livros de contos A árvore que falava aramaico (2003), finalista do Prêmio Açorianos e Cavalos de Cronos (2018), este vencedor do Açorianos. Ocupou-se da tradução de Os contos da Cantuária, de Geoffrey Chaucer, indicada ao prêmio Jabuti. “Saga” foi publicado em Contos de oficina 23 (1999).

Karen Garbo

Nasceu em Xaxin (SC), vive em Porto Alegre, é graduanda em História e mestranda em Crítica e Teoria Literária (UFGRS). Participou de antologias como a Machado de Assis (2015) e a do concurso Mansueto Bernardi (2016). “Desce logo” foi publicado na antologia Qualquer ontem (2019).

Laís Chaffe

É escritora, roteirista, documentarista. Publicou, entre outros, Minicontos e muito menos (2009), Segue anexa minha sombra (poemas, 2018, prêmios Livro do Ano de Poesia da AGES e da Academia Literária do RS), com dedos e lábios roxos (haicais, 2019). Criou o projeto Cidade Poema e a editora Casa Verde. Entre 2012 e 2014, foi diretora do IEL /RS. Está realizando um documentário com a escritora Maria Valéria Rezende e é uma das articuladoras do movimento Mulherio das Letras. “Na mosca” foi publicado em Contos de oficina 26 (2001).

Letícia Wierzchowski

Nasceu em 1972, em Porto Alegre. É autora de, entre outros, A casa das sete mulheres (2002), adaptado pela Rede Globo para um minissérie, Cristal Polonês (2003), Um farol no pampa (2004), Uma ponte para Terebin (2006), Desaparição (2019), e Todas as coisas querem ser outras coisas (2006) – este último de literatura infantil e finalista do Prêmio Jabuti. Sua obra foi publicada em países como Espanha, Itália, Grécia e Portugal. “Pequeno inventário de coisas inúteis” foi publicado em Contos de oficina 20 (1998).

Luisa Geisler

Luiza Mussnich

Nasceu no Rio de Janeiro em 1991. Publicou os livros de poesia Microscópio (2017), Lágrimas não caem no espaço (2018) e Para quando faltarem palavras (2018). Também participou da coletânea de contos Identidade (2018) da Amazon Brasil. “A noite não tem fim para as crianças” foi publicado na antologia Moldes para oxigênio (2018).

Marana Borges

É mestre em Teoria da Literatura pela Universidade de Lisboa e escreve para as revistas Quatro Cinco Um e Forma de Vida (Portugal). Seu romance Mobiliário para uma fuga em março, vencedor do Prêmio Governo de Minas Gerais, sairá da gráfica em 2021. “Sissone” foi publicado na antologia De tudo resta um pouco (2011).

Marcela Dantés

(Belo Horizonte, 1986) estudou Comunicação Social na Universidade Federal de Minas Gerais e é pós-graduada em Processos Criativos em Palavra e Imagem, pela PUC Minas. É autora de Sobre pessoas normais (2016, contos, semifinalista do Prêmio Oceanos) e Nem sinal de asas (romance, 2020). “Valsa vento” foi publicado na antologia Naufrágios urbanos (2015).

Michel de Oliveira

(Tobias Barreto - SE - 1988) é escritor, fotógrafo, jornalista e doutor em Comunicação e Informação pela UFRGS. Autor de de Cólicas, câimbras e outras dores (2017 - finalista do Prêmio Sesc e da Maratona Carreira Literária) e de O sagrado coração do homem (2018 – finalista do Prêmio Açorianos). “Ainda renascem os dentes” foi publicado na antologia Qualquer ontem (2019).

Michel Laub

Nasceu em Porto Alegre e hoje vive em São Paulo. Publicou oito romances, entre eles, Diário da queda (2011, com direitos vendidos para o cinema) e Solução de dois estados (2020). É um dos integrantes da edição Os melhores jovens escritores brasileiros, da revista inglesa Granta (2012). Recebeu os prêmios JQ – Wingate (Inglaterra, 2015), Transfuge (França, 2014), Jabuti (segundo lugar, 2014), Copa de Literatura Brasileira (2013), Bravo Prime (2011), Bienal de Brasília (2012) e Érico Verissimo (2001). Seus livros foram traduzidos em 13 países e 10 idiomas. “Morando em casa” foi publicado em Contos de oficina 17 (1996).

Monique Revillion

Autora de dois livros de contos: Teresa, que esperava as uvas (2006), vencedor do Prêmio Açorianos, e de O Deus dos insetos (2013). “Frutificar” foi publicado em Contos de oficina 18 (1997).

Paulo Scott

Nasceu em 1966, em Porto Alegre. Escritor e professor universitário, publicou, entre outros, O ano em que vivi de literatura (2015, vencedor do Prêmio Açorianos), Habitante irreal (2011, vencedor do Prêmio Machado de Assis da Fundação Biblioteca Nacional) e Mesmo sem dinheiro comprei um esqueite novo (2014, vencedor do Prêmio APCA). Foi também finalista de prêmios como o Casa da América (Portugal), o Jabuti e o Prêmio São Paulo. “Greco e Helena: trigésima nona parte” foi publicado em Contos de oficina 32 (2004).

Robertson Frizero

Tobias Carvalho

Nasceu em Porto Alegre em 1995. As coisas (Record), seu livro de estreia, foi vencedor do Prêmio Sesc de Literatura 2018. Participa da atual edição (2020) da Oficina de Criação Literária da PUCRS.

Informação adicional

Ano

2020

Autor(es)/Organizador(es)

Frederico Dollo Linardi, Gabriela Ewald Richinitti, Luis Roberto de Souza Júnior

Páginas

188

ISBN Impresso

9786556230764

Formato Impresso

14×21

ISBN Digital

9786556230771

Formato Digital

EPUB

Distribuição

Comercial

Série

N/A